06 ago 2013

Advogado vai a tribunal contra a morte de Jesus

porno sexo novinha

advogado-dola-indidis-do-quenia-tenta-ir-a-corte-internacional-de-justica-para-mover-uma-acao-contra-a-sentenca-dada-a-jesus-cristo-1375739382648_300x300

Um advogado do Quênia pretende ir ao Tribunal Internacional de Justiça (TIJ), em Haia (Holanda), para apelar contra a condenação e a sentença de morte dada a Jesus Cristo.

“É meu dever defender a dignidade de Jesus e eu tenho que ir à TIJ para buscar justiça para um homem de Nazaré. O julgamento seletivo e malicioso violou os seus direitos humanos através de uma má conduta judicial, abuso de poder e preconceito”, disse o advogado Dola Indidis, segundo matéria da revista Time.

Indidis já tentou levar o caso à Alta Corte do Quênia, em 2007, mas o tribunal recusou ouví-lo, alegando que o tema não era de sua jurisdição.

O caso também não deve avançar na TIJ. O Tribunal Internacional apenas tem jurisdição sobre casos entre um Estado contra outro. A defesa de Indidis não está vinculada a um Estado e, por isso, não deve ser atendido.

Nada disso, no entanto, desanima Indidis. Em sua página no Facebook, ele pede doações em apoio à causa. Também publicou uma carta (veja abaixo), com data de dezembro de 2011, quando tentou pela primeira vez enviar o caso a Haia. “Juntos podemos vencer”, escreveu. “Yes we can”.

O alvo de Indidis são o governo e os líderes religiosos envolvidos na sentença a Jesus Cristo, o que inclui o imperador romano Tibério, Pôncio Pilatos, juiz que condenou Jesus, além de professores de direito da época.

Indids também estaria planejando mover ação contra os governos da Itália e de Israel que, segundo ele, teriam herdado as leis do Império Romano.

advogado-queniano-pede-doacoes-para-mover-acao-contra-a-sentenca-dada-a-jesus-cristo-1375739602514_600x960

Ao ler sobre este caso já da parceber que o advogado tá mais interessado em chamar a atenção, eu já vi casos serem resolvidos depois de 30, 40, até 100 anos depois do ocorrido, mas 2 milênios depois… Complicado.

Via UOL

TAGS

Comente

Comentários